In-M | Produto | Onde comprar | Imprensa | Contato

Sexo Limpinho

Setembro 2014 - Folha de São Paulo - Monique Oliveira

 

 

Cresce o mercado de produtos de higiene para serem usados antes e depois do sexo e que prometem eliminação de odores e até proteção contra doenças; especialistas questionam se tanta limpeza é necessária

 

Uma olhada rápida no setor de higiene pessoal é suficiente para notar que a oferta de produtos para a região íntima e para o sexo só cresce. A dúvida, entretanto, é se eles de fato são necessários --para a saúde e o prazer.

 

Em visita a farmácias, a Folha encontrou mais de 30 tipos de produtos para a higiene íntima, como sabonetes e lenços umedecidos. E eles estão cada vez mais especializados: há aqueles voltados para adolescentes, os que apelam para a neutralização total de odores e até os que dizem prevenir doenças sexualmente transmissíveis.

 

Há duas semanas, chegou ao país o Sex Wipes (lenços para o sexo). O produto, para ser usado por homens e mulheres antes e depois das relações sexuais, promete equilibrar o pH da genitália e proteger as mucosas de agentes causadores de doenças, mas o benefício é contestado por especialistas.

 

A fabricante não divulga quais ingredientes teriam esse poder, e a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) só registra o produto para fins de higienização.

 

Já na Econoforma 2014, feira voltada para o varejo farmacêutico nacional que ocorreu no fim de agosto, a ducha higiênica portátil In-M foi lançada. O produto, destinado à limpeza do reto ou da vagina para exames, segundo a empresa, também tem a indicação de uso depois do ato sexual para prevenção de infecções urinárias e para a limpeza do reto --o que evitaria infecções em relações heterossexuais e homossexuais.

 

"A procura por esses produtos está aumentando e tem muito a ver com as mudanças no estilo de vida da mulher. Hoje ela trabalha o dia inteiro, tem mais parceiros sexuais e muitas vezes não tem tempo para se arrumar antes do encontro", diz Carmita Abdo, psiquiatra e coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade da USP.

 

O sabonete para a região íntima feminina ainda é o campeão de vendas do setor. A linha Dermacyd, sabonete íntimo que detém 60% desse mercado, lançou quase um produto diferente da linha por ano nos últimos seis anos e teve um crescimento de 11% no ano passado.

 

De fato, a maior parte dos produtos é voltada para as mulheres -- e a explicação é biológica e também cultural.

 

"A vagina é úmida e quente, o que a propicia para infecções", diz Luciano Pompei, ginecologista e professor-assistente da Faculdade de Medicina do ABC. Já Carmita Abdo, lembra que mulheres e homens veem genitais de formas diferentes. "Enquanto o homem pensa mais no tamanho e na performance, a mulher se preocupa principalmente com a limpeza e a aparência", diz. Segundo ela, a tendência de depilação total está alinhada a essa preocupação maior com a higienização.

 

USAR OU NÃO?

 

Fazer uma higiene depois do sexo faz sentido, já que a relação sexual altera a flora vaginal, pela fricção em si e também pelo contato com o sêmen. "O sêmen é alcalino e a vagina é ácida. Essa diferença pode causar alterações na mucosa e facilitar a proliferação de micro-organismos nocivos", diz Pompei.

 

A dúvida, entretanto, é se esses produtos específicos são realmente imprescindíveis ou se só a água sozinha já daria conta do recado.

Para sanar as dúvidas, a Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia) lançou um guia para a limpeza íntima feminina para especialistas. Nele, há indicação para o uso de produtos que removem resíduos que não seriam retirados somente com água.

 

A lista de produtos permitidos inclui sabonetes neutros e os específicos para limpeza íntima. Há uma ressalva, porém, aos sabonetes comuns, que levam a uma "secura" excessiva da região. Lenços umedecidos podem ser usados, mas, em excesso, podem agredir a mucosa.

 

A higienização, segundo o guia, não deve ser feita internamente. E há uma recomendação para a frequência: uma a três vezes por dia em clima quente e apenas uma limpeza diária no frio. O guia também lembra que a higienização não é para "esterilizar", mas para remover partículas sólidas e melhorar a flora.

 

CONTRA DOENÇAS

 

Nenhum desses produtos, entretanto, deve ser usado para prevenir doenças. Sabonetes em geral só evitam as doenças que aparecem na ausência de higiene, como o câncer de pênis e vulva.

 

"A prevenção de doenças sexualmente transmissíveis é feita com preservativos. Em caso de infecções, é preciso buscar tratamento ", diz Newton Eduardo Busso, professor de ginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

A ginecologista Paula Fettback diz que a higiene antes e depois do sexo pode prevenir alterações da vagina que provocam corrimento ou infecções urinárias de repetição. Nenhum estudo comprovou essa relação direta.

 

Já o uso da ducha no pós-sexo é controversa, e médicos, em geral, não recomendam o uso porque ela pode acabar com a flora natural.

 

Afora a higiene, eliminar ou não o odor é uma questão cultural que, para especialistas, deve ser superada. "O odor natural pode ser atraente para o parceiro e, se não é desagradável, não deve ser combatido", diz Carmita.

 

Veja a matéria no site da Folha

 

 

 

 


In-M - Atendimento ao consumidor: (11) 3003-1280 - sac@inm4you.com.br
₢ Copyright 2014 - Mix4you

Design: RG Criativo

Guia de fornecedores para eventos corporativos e científicos: Locação de auditórios Seu Evento Corporativo